domingo, 10 de maio de 2015

A dança na Liturgia é permitida?

Adoração ao Bezerro de Ouro, do pintor francês Nicholas Poussin 

Quem nunca em sua paróquia já não presenciou uma apresentação de "dança litúrgica" durante a Santa Missa onde terminava em fortes aplausos bem como tantas outras apresentações coreográficas e teatrais; mas é correto? e o que a Igreja ensina?

Complementando o que já foi postado e comentando anteriormente aqui sobre o distanciamento da Divina liturgia, a dança vem sendo amplamente disseminada em nossas celebrações por todo o país e se tornando uma febre. Mas o que pensa o Magistério da Igreja?

Em relação a este assunto eu não responderei por minha opinião é claro, pois a liturgia não pertence a nenhum capricho meu e sim ao longo dos mais de dois milênios de tradição da Igreja. 
O Cardeal Francis Arinze, então Prefeito da Congregação para o Culto Divino entre 2002 e 2008, responde com objetividade esta questão. 



Não vou deixar o Cardeal Arinze representando o magistério da Igreja apenas com esta opinião. O Cardeal Joseph Ratzinger, nosso Papa Emérito Bento XVI, descreve em seu livro "Introdução ao Espírito da liturgia"  o que verdadeiramente a dança representa na Liturgia.

"A dança não é uma forma de expressão da liturgia cristã. No séc. III, círculos gnóstico-docetistas tentaram introduzi-la na liturgia cristã. Para eles, a crucificação não passava de aparência: antes da Paixão, Cristo deixara o corpo que jamais assumiu como seu; por isso, em lugar da liturgia da cruz podia entrar a dança, visto que a cruz tinha sido apenas aparência. As danças cultuais das várias religiões possuem diferentes finalidades - exorcismo, fetiche analógico, êxtase místico, nenhuma dessas formas corresponde à orientação interior da liturgia do 'sacrifício conforme a palavra' . É completamente contraditória, na tentativa de tornar a liturgia mais 'atraente', introduzindo nela pantominas sob a forma de dança - onde é possível , por meio de grupo de dançarinos profissionais -, que em geral terminam em aplausos (coisa por outro lado, correta quando se trata de talento artístico em sentido restrito). Lá, onde explodem os aplausos para a obra humana na liturgia, estamos diante de um sinal certo de que se perdeu completamente a essência da liturgia e de que ela foi substituída por uma espécie de entretenimento de fundo religioso. Tal atração não dura muito, no mercado de ofertas para o lazer, que assume cada vez mais formas do religioso visando despertar a curiosidade do público, a concorrência não possui controle. Eu mesmo já assisti a uma celebração na qual o ato penitencial  foi substituído por uma apresentação de dança que, como óbvio, terminou num grande aplauso; seria possível afastar-se ainda mais do que é realmente a penitência? A liturgia só pode atrair as pessoas se não olhar para si mesma, mas para Deus, e se lhe permite estar presente e agir. Então acontece o extraordinário, sem igual, e as pessoas sentem que aqui ocorre algo mais que um simples arranjo de lazer. Nenhum rito cristão conhece a dança." 

Bem, depois desta "chapuletada" eu vou deixar aqui várias fontes do Youtube para visualizar bem o drama.

https://youtu.be/y8_EBa9KwoE
https://youtu.be/qnUf4pXN_gU
https://youtu.be/PEHvOxa51q4
https://youtu.be/PEHvOxa51q4
https://youtu.be/WF8wNsg6M6M
https://youtu.be/YXRZB_2MQFk
https://youtu.be/MxfO7a7_bWs
https://youtu.be/_jO73aNNQXE
https://youtu.be/HxQizDRs_h8
https://youtu.be/_gCupIPVWT0
https://youtu.be/0uWxss-b8os
https://youtu.be/XGP-NFtdaZs
https://youtube.com/watch?v=B2ErH2nEMdw
https://youtube.com/watch?v=B2ErH2nEMdw
https://youtube.com/watch?v=B2ErH2nEMdw


Fontes: 

Youtubehttps://www.youtube.com/watch?v=-qunILnfndY

http://www.conhecimentodossantos.blogspot.com.br/2013/09/introducao-ao-espirito-da-liturgia.html

Introdução ao Espírito da liturgia,
Cardeal Joseph Ratzinger - Papa Bento XVI - Cap II, (2) página 164

Nenhum comentário:

Postar um comentário