quarta-feira, 19 de setembro de 2012

CELEBRAÇÃO DA PALAVRA - 25º DOMINGO DO TEMPO COMUM



23 de SETEMBRO de 2012


Aprofundando os textos bíblicos: 
Sabedoria 2,12.17-20; Salmo 54(53); Tiago 3,16-4,3; Marcos 9,30-37

Evangelho: Jesus revela que seu messianismo se concretiza no serviço até a doação da própria vida: O Filho do Homem será entregue às mãos dos homens, e eles o matarão. Mas três dias após sua morte, ele ressuscitará (v.31). Os discípulos, preocupados em saber quem é o maior, não compreendem a mensagem do Messias sofredor. Querer ser o maior é ocupar o lugar de Deus. Cristo, com as predições da paixão, anuncia o caminho oposto através do despojamento e obediência até a morte na cruz. Sentado, como Mestre, ele proclama a novidade: Se alguém quiser ser o primeiro, que seja o último de todos e aquele que serve a todos (v.35). Jesus exorta a transformar a ambição do poder em atitude de serviço. Jesus coloca uma criança no meio dos discípulos, abraçando-a com amor, pois a criança desprotegida de ambição, é modelo de simplicidade e acolhimento à boa nova de Cristo. O verdadeiro discípulo acolhe Jesus como o Messias Servo, que enfrenta a morte para comunicar a vida plena a toda a humanidade.

1ª leitura: a 1ª leitura mostra que o justo, perseguido e humilhado, mas defendido por Deus, prefigura Jesus que em sua morte é socorrido pelo Pai.

No salmo: no salmo, a pessoa, em meio às aflições, clama por justiça e é levada pela confiança a fazer promessa de oferecer sacrifícios de ação de graças.


2ª leitura: na 2ª leitura, a verdadeira sabedoria, que vem do alto, edifica a comunidade.


2. Atualizando

Jesus, escolhendo ser o último e o servo de todos, ensina a viver o amor que supera as divisões e injustiças sociais. Seguindo seu exemplo e Palavra, possamos nos converter de toda a ambição de poder para sermos construtores de um mundo novo de paz e justiça.


3. A palavra de Deus na celebração

Na celebração, Jesus se faz servo e entrega-se totalmente: “Eis o meu corpo, eis o meu sangue, dados por vós”. Nele, nos tornamos uma oferta agradável a Deus. Que a participação na mesa eucarística nos ajude a “colher os frutos da redenção na liturgia e na vida” (oração pós-comunhão).


4. Dicas e sugestões

Na recordação da vida, que pode ser feita após a saudação inicial, a comunidade pode lembrar pessoas que são exemplos de serviço.

DICAS PARA PREPARAR A HOMILIA 
Seguindo o método da Leitura orante (ler, meditar, orar, contemplar), indicamos cinco passos para preparar a homilia:

1) Escolher um tempo durante a semana e um lugar onde seja possível o silencio... Antes de começar a leitura, invocar o Espírito Santo...

2) Ler os textos, começando pelo evangelho. Ler com atenção. Ler mais de uma vez. Prestar atenção nas personagens, sublinhar os verbos ou as palavras chaves. Se durante a leitura, se distrair, voltar pro começo. Ler também a primeira leitura, a segunda, o salmo.

3) Na leitura Deus se revela a nós em Jesus. Perguntamos o que Deus nos fala na Palavra: que boa notícia traz para a nossa vida e a vida de nossa comunidade? Que atitude pede de nós, que mudança de vida? A Palavra é espelho da nossa vida (autoconhecimento).

4) Silenciar por um momento diante do Pai, em oração. Agradecer pela luz que a sua palavra traz, ou pedir ajuda para compreendê-la melhor. Entrar no silêncio de Deus, Contemplar a sua presença manifestada em Jesus e na própria vida. Deixar que a Palavra lida e meditada ecoe no coração ao longo do dia e da semana. Abrir-se a novas atitudes, optar conscientemente por gestos concretos de amor, de doação suscitados pela Palavra.

5) Anotar os pontos que queremos desenvolver na homilia da comunidade e estar atentos/as ao que Espírito suscitar à medida que a Palavra vai crescendo dento do coração e na própria conduta.

Alguns cuidados que devemos ter ao preparar a homilia:

- Homilia não é palestra nem aula, é uma conversa; sua finalidade é “expor os mistérios da fé, que se referem à pessoa de Jesus” (cf. SC 51), partindo dos textos bíblicos e levando em conta a vida da comunidade.

- Homilia tem começo meio e fim. Nunca começar com algo que cause constrangimento e, ao terminar, buscar uma síntese, apontando para a boa notícia e exortando à conversão. Evitar dar lição de moral.

- Falar pouco é regra preciosa, não mais de dez minutos, mas isso não significa empobrecer o conteúdo. É importante falar o essencial, usando uma linguagem acessível, coloquial.

- A homilia é parte integrante de toda a celebração, por isso nem começa e nem termina com sinal da cruz ou com “louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo”...


M. do Carmo de Oliveira e Maria de Lourdes Zavarez

Fonte: Revista de Liturgia - Rede Celebra
http://www.redecelebra.com.br/leitura.php?id=286
http://www.revistadeliturgia.com.br/diadosenhor.php?iddiadosenhor=1#dez

3 comentários:

  1. A HOMILIA E AS ORIENTAÇÕES EXPOSTAS NESTA PÁGINA, SÃO DE GRANDE VALIA PARA QUEM TEM A RESPONSABILIDADER DE ANUNCIAR A "BOA NOVA", PRINCIPALMENTE PARA OS MINISTROS EXTRAORDINÁRIOS DA PALAVRA, QUE SÃO MUITOS EM NOSSA DIOCESE.

    ResponderExcluir
  2. A HOMILIA E AS ORIENTAÇÕES EXPOSTAS NESTA PÁGINA, SÃO DE GRANDE VALIA PARA QUEM TEM A RESPONSABILIDADER DE ANUNCIAR A "BOA NOVA", PRINCIPALMENTE PARA OS MINISTROS EXTRAORDINÁRIOS DA PALAVRA, QUE SÃO MUITOS EM NOSSA DIOCESE.

    ResponderExcluir

  3. Obrigado Pinheiro. Deus o abençoe em seu ministério.
    Devo agradecer a Ir. Marisé da minha Paróquia Nossa Senhora da Conceição-Betim/MG.
    Ela toda semana envia para o meu e-mail esta matéria.
    Assim caminha o povo de Deus, Igreja corpo de Cristo.

    ResponderExcluir